Hoje na Economia

  • Clique aqui para adicionar essa página aos favoritos

    Meus Favoritos

    Personalizar seus Favoritos:

    1) Escreva no campo abaixo o nome da página da maneira que mais lhe agrada.

    2) Clique em "Incluir no Meus Favoritos".


  • PDF
  • Imprimir
  • Enviar para um amigo

Edição 1991

13/04/2018

Mercados operam em alta moderada, nesta sexta-feira, motivados pelos sinais de arrefecimento das tensões comerciais entre EUA e China, como também de olho nos balanços corporativos que vem sendo divulgados.

Deixando de lado as querelas comerciais sino-americanas, na Ásia o investidor se debruça sobre os balanços para refinar suas posições nos mercados de ações. Bolsas fecharam em alta, puxadas pelas ações de empresas financeiras e produtoras de matérias primas. O índice MSCI Asia Pacific subiu 0,20%, no pregão de hoje. A China contrariou a tendência da região, com as bolsas fechando em queda. O índice Xangai Composto apurou queda de 0,66%. Refletiu o inesperado déficit de US$ 4,98 bilhões apurado pela balança comercial chinesa em março, o primeiro em 13 meses. Resultou de queda de 2,7% A/A (projeção do mercado 10%) nas exportações, enquanto as importações, captando a robustez da demanda doméstica, subiram 14,4% (projeções: 10%). Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou com queda modesta de 0,07%. Em Seul, o índice Kospi teve ganho de 0,50%; enquanto o Taiex de Taiwan teve alta discreta (+0,10%).

Na Europa, o índice STOXX600 registra valorização de 0,22% nesta manhã, com os ganhos com ações de matérias primas compensando as quedas em tecnologia e bens de consumo. As principais bolsas de ações da região, também operam em alta moderada: em Paris, o CAC40 sobe 0,25%; em Frankfurt o Dax tem alta de 0,48%. Exceção é o FTSE100 da bolsa de Londres que opera com discreta queda (-0,06%). No mercado de moedas, a libra inglesa se valoriza, atingindo um dos maiores níveis contra o euro em mais de uma ano, refletindo as apostas de que o banco central inglês (BoE) deve subir os juros na reunião da próxima semana, enquanto o Banco Central Europeu manteve um discurso mais dovishna ata da reunião de política monetária de março, publicada ontem. A moeda inglesa é cotada a US$ 1,4284 de US$ 1,4228 do fim da tarde de ontem. O euro é cotado a US$ 1,2338, subindo em relação a US$ 1,2330 de ontem à tarde.

No mercado americano, os índices futuros de ações da bolsa de Nova York operam com altas discretas, nesta manhã de sexta-feira. O índice futuro de Dow Jones sobe 0,12%; o futuro do S&P 500 avança 0,09%; o Nasdaq, por sua vez, opera em queda de 0,12%. O juro pago pelo T-Bond de 10 anos recua para 2,823% no momento, de 2,830% de ontem á tarde. O índice DXY que acompanha o valor do dólar diante de uma cesta de moedas registra fracas oscilações nesta manhã.

No mercado de commodities, o índice Geral de Commodity da Bloomberg registra valorização de 0,32%, com destaque negativo para os metais básicos que registram queda. O petróleo opera em alta, com o contrato futuro do produto tipo WTI para entrega em maio subindo 0,72%, sendo negociado a US$ 67,55/barril.

Na agenda de hoje, o IBGE divulga a Pesquisa Mensal de Serviço, referente a fevereiro, que deve mostrar recuo de 0,6% em relação a igual mês do ano passado, reforçando o quadro de um economia mais fraca nos primeiros meses do ano. A Bovespa e o mercado de câmbio devem oscilar entre altos e baixos sem tendência clara para hoje, com os investidores cautelosos à espera de novas pesquisas eleitorais que devem ser divulgadas neste fim de semana para avaliar o desempenho dos candidatos pró-mercado.