Hoje na Economia

  • Clique aqui para adicionar essa página aos favoritos

    Meus Favoritos

    Personalizar seus Favoritos:

    1) Escreva no campo abaixo o nome da página da maneira que mais lhe agrada.

    2) Clique em "Incluir no Meus Favoritos".


  • PDF
  • Imprimir
  • Enviar para um amigo

Edição 2031

12/06/2018

O acordo histórico realizado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, sobre a desnuclearização da península coreana, não mexe com os mercados, nesta manhã. Investidores estão de olho na provável alta dos juros americanos a ser promovida pelo Fed amanhã, e por um discurso mais hawkish a ser proferido pelo Banco Central Europeu, na quinta-feira. Ativos considerados como porto seguro, como o iene, o franco suíço, o ouro e os bônus japoneses operam em queda nesta terça-feira.

Na Ásia, as bolsas fecharam o pregão de hoje sem direção única, predominando variações modestas. Em Seul, o índice sul-coreano Kospi terminou o dia com baixa marginal de 0,05%. Na bolsa de Tóquio, no Japão, o índice Nikkei subiu 0,33%, ajudado pela fraqueza do iene diante do dólar. Nesta manhã, a moeda japonesa perde 0,10%, com o dólar cotado a 110,13 ienes. Em Hong Kong, o Hang Seng teve leve alta de 0,13%, enquanto em Taiwan, o Taiex mostrou queda moderada de 0,04%. Na China, bolsas operaram com valorizações sólidas. O Xangai Composto subiu 0,89%, estimulado pela expectativa de que o encontro entre Trump e Kim pode contribuir para a melhora das relações entre EUA e China.

A Europa mostra um comportamento muito semelhante ao dos mercados asiáticos. Sem direcional único, as bolsas europeias operam também com variações modestas. O índice pan-europeu de ações, STOXX600, tem discreta alta (+0,02%), no momento. Em Londres, onde o clima político em torno da primeira ministra Tereza May parece esquentar, o índice FTSE100 registra queda de 0,31%. Em Paris, o CAC40 recua 0,29%, enquanto em Frankfurt, o DAX perde 0,09%. O euro sobe a US$ 1,1799 de US$ 1,1789 no fim da tarde de ontem. Na Alemanha, foi divulgado o índice de expectativas econômicas pelo instituto Zew, que caiu de -8,2 em maio para -16,1 em junho, atingindo o menor nível desde setembro de 2012.

No mercado americano, bolsas de ações devem abrir em baixa, segundo o comportamento dos principais índices futuros de ações de Nova York. O futuro do Dow Jones cai 0,12%; do S&P 500 recua 0,10%; Nasdaq perde 0,14%. Investidor opera na defensiva à espera da reunião de política monetária do Fed (Fomc), que amanhã deverá promover nova alta da taxa básica de juros. Para respaldar as apostas no tom do comunicado que acompanhará a decisão do Fomc, investidores estarão atentos à divulgação da inflação ao consumidor (CPI) de maio, que segundo o consenso do mercado deve subir 2,8% para o índice cheio e 2,2% para o seu núcleo (Core CPI), ambos na métrica de 12 meses. No mercado futuro de treasuries, o juro pago pelo T-Bond de 10 anos situa-se em 2,960% ao ano nesta manhã, acima do valor de 2,950% de ontem à tarde.

Os contratos futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, enquanto os investidores esperam pela pesquisa semanal do American Petroleum Institute (API) sobre os estoques de petróleo e derivados dos EUA. No momento, o barril do WTI para entrega em julho avança 0,54%, negociado a US$ 66,46.

No mercado doméstico, os investidores estarão atentos à divulgação da inflação ao consumidor nos EUA, bem como aguardando a reunião do Fomc de amanhã, onde um discurso mais duro, que alimente apostas em intensificação da alta dos juros nos EUA pode desencadear nova onda de estresse, levando a novas altas no valor do dólar.