Hoje na Economia

  • Clique aqui para adicionar essa página aos favoritos

    Meus Favoritos

    Personalizar seus Favoritos:

    1) Escreva no campo abaixo o nome da página da maneira que mais lhe agrada.

    2) Clique em "Incluir no Meus Favoritos".


  • PDF
  • Imprimir
  • Enviar para um amigo

Edição 2097

14/09/2018

Principais bolsas de ações internacionais operam em alta, nesta manhã de sexta-feira. Alimenta o bom humor dos investidores a percepção de avanços na retomada das negociações comerciais entre China e EUA, bem como a perspectiva de que o pacote econômico adotado na Turquia contribuirá para a estabilização da economia.

Num ambiente de maior apetite ao risco, o dólar recua frente às principais moedas (índice DYY: -0,09%, no momento), enquanto o juro pago pelo T-Bond de 10 anos ameaça romper a fronteira dos 3% ao ano. Os futuros dos principais índices de ações da bolsa de Nova York apontam para uma abertura em alta moderada. No momento, o futuro do Dow Jones sobe 0,17%; o S&P 500 avança 0,16%; o Nasdaq sobe 0,38%.

Na Ásia, a maioria das bolsas de ações fechou em alta, impulsionada pelas ações das empresas de tecnologia, afastando o benchmark da região do quadro baixista verificado nas últimas duas semanas. O índice MSCI Asia Pacific apurou ganho de 1,2% nesta sexta-feira, que contou também com a estabilização da economia turca, favorecendo as ações dos mercados emergentes. Na China, mercados de ações atuaram na contramão da região, fechando em baixa após a fraqueza dos dados econômicos divulgados nesta madrugada e com investidores ainda de olho nos riscos das tensões comerciais com os EUA. Dados oficiais mostraram que a produção industrial chinesa cresceu 6,1% em agosto, na comparação anual, vindo acima do dado de julho (6,0%) e da previsão dos analistas (6,0%). As vendas do comércio tiveram expansão anual de 9% em agosto, de 8,8% em julho e acima das projeções dos analistas (8,8%). Os investimentos em ativos fixos decepcionaram, crescendo 5,3% entre janeiro e agosto, apurando o resultado mais fraco desde 1992 e abaixo das previsões do mercado (5,5%). O índice Composto de Xangai fechou com queda de 0,18%. Na bolsa de Tóquio, o índice Nikkei subiu 1,20%, favorecido pelo quadro mais otimista que tomou conta dos mercados asiáticos nesta sexta-feira. Na Coreia do Sul, o índice Kospi avançou 1,40%, impulsionado pelas ações de tecnologia, que também foram responsável pela alta de 1,31% do índice Taiex da bolsa de Taiwan.

Na Europa, mercados de ações acompanham o bom humor ditado pelos mercados asiáticos. O índice pan-europeu de ações, STOXX600, opera com alta de 0,22%, nesta manhã, refletindo o bom desempenho dos papeis de mineradoras e montadoras. Em Londres, o índice FTSE100 sobe 0,21%; em Paris o CAC40 avança 0,31%; em Frankfurt, o DAX tem valorização de 0,27%. O euro troca de mãos a US$ 1,1705, com valorização de 0,10% diante da moeda americana.

De olho na evolução do furacão Florence, mercado de petróleo deve fechar a semana em alta. O contrato futuro do petróleo tipo WTI para entrega em outubro subia 0,26%, nesta manhã, sendo negociado a US$ 68,89/barril.

Na agenda de indicadores domésticos, a FGV divulga o IGP-10 de setembro que deverá mostrar inflação de 0,77% no mês conforme as projeções do mercado, vindo acima da variação de 0,51% de agosto. Neste dia de mercado externo mais calmo, os preços dos ativos brasileiros continuarão registrando alta volatilidade em função do cenário eleitoral indefinido. Esse ambiente acaba amplificando o efeito das pesquisas eleitorais (hoje está prevista Datafolha as 19h) na determinação da tendência dos mercados.