Hoje na Economia

  • Clique aqui para adicionar essa página aos favoritos

    Meus Favoritos

    Personalizar seus Favoritos:

    1) Escreva no campo abaixo o nome da página da maneira que mais lhe agrada.

    2) Clique em "Incluir no Meus Favoritos".


  • PDF
  • Imprimir
  • Enviar para um amigo

Edição 2133

08/11/2018

Mercados iniciam os negócios em alta, nesta manhã, deixando para trás as eleições americanas, focando nos resultados corporativos e em eventos importantes que podem mover os mercados no dia de hoje.

Nos EUA, ocorre a reunião de política monetária do Fed (Fomc), que deve manter as taxas básicas de juros estáveis, mas se espera que dê sinais sobre o ritmo de aperto monetário em 2019. Os juros pagos pelo T-Bond de 10 anos encontram-se em 3,226% ao ano, negociados próximos ao patamar mais elevado desde 2011. O dólar, por sua vez, esboça recuperação frente às principais moedas fortes (índice DXY sobe 0,14% no momento), recuperando-se, parcialmente, da queda observada ontem. Para o mercado de ações americano, espera-se por uma abertura fraca, conforme se deduz pela sinalização dada pelos futuros dos principais índices de ações de Nova York, no momento: Dow Jones opera estável; S&P 500 recua 0,08%; Nasdaq cai 0,08%.

Na China, as exportações subiram 15,6% em outubro na comparação com igual mês do ano passado, superando o crescimento de setembro (14,5%), como também a previsão dos analistas (11%). As importações subiram 21,4% na mesma base de comparação, contra 14,3% verificado em setembro e 13% da previsão do mercado. O comércio exterior chinês continua sólido, em que pese a atual disputa comercial com os EUA. Esse resultado, no entanto, não impediu que a bolsa de Xangai fechasse em baixa, com o índice Composto registrando queda de 0,22%, no pregão de hoje. Demais bolsas da região fecharam em alta, influenciadas pelo rali visto ontem em Nova York. No Japão, o índice Nikkei subiu 1,82%, ajudado em boa parte pela fraqueza do iene frente ao dólar durante o pregão. O dólar é negociado a 113,75 ienes no momento, contra 113,49 ienes de ontem à tarde. Em Hong Kong, o Hang Seng garantiu alta de 0,31%; em Seul, o sul-coreano Kospi subiu 0,67%; em Taiwan, o Taiex avançou 0,37%.

Na Europa, resultados fortes apresentados por balanços corporativos de setores de tecnologia e seguros turbinam as bolsas da região, nesta manhã. O índice pan-europeu de ações, STOXX600, opera com alta de 0,64%, atingindo o maior nível do último mês. Em Londres, o FTSE100 avança 0,36%; em Paris, o CAC40 sobe 0,45%; em Frankfurt, o DAX tem valorização de 0,46%. O euro opera estável diante do dólar americano, sendo cotado a US$ 1,1426, situando-se próximo do maior nível das duas últimas semanas.

Os contratos futuros de petróleo esboçam recuperação, nesta quinta-feira, após as perdas recentes. O contrato do petróleo tipo WTI para entrega em dezembro sobe 0,92%, sendo negociado a US$ 62,24/barril, nesta manhã.

A Bovespa deve abrir seguindo o comportamento moderado sinalizado pelos futuros da bolsa de Nova York, ao mesmo tempo em que se acompanha os nomes dos novos integrantes do futuro governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. A decisão de política monetária do Fed será conhecida às 17 horas, o que deve manter, tanto o mercado de câmbio como de juros futuros, operando sem tendência clara.