Hoje na Economia

  • Clique aqui para adicionar essa página aos favoritos

    Meus Favoritos

    Personalizar seus Favoritos:

    1) Escreva no campo abaixo o nome da página da maneira que mais lhe agrada.

    2) Clique em "Incluir no Meus Favoritos".


  • PDF
  • Imprimir
  • Enviar para um amigo

Edição 2171

10/01/2019

Mercados financeiros globais interrompem quatro dias seguidos de alta, com poucas novidades oficiais sendo anunciadas nas negociações entre China e EUA.

Na Ásia as bolsas fecharam em queda, com o MSCI Ásia Pacífico recuando -0,1%. Houve queda de -1,29% no índice Nikkei225 e -0,36% na bolsa de Xangai. O iene está basicamente estável contra o dólar hoje, com variação de -0,02%, cotado a ¥/US$ 108,19. A inflação na China veio abaixo do que era esperado pelo mercado, com os preços ao consumidor variando 1,9% A/A (contra expectativa de 2,2% A/A) e os preços ao produtor 0,9% A/A (contra expectativa de 1,6% A/A).

Na Europa, a produção industrial francesa surpreendeu para baixo (-1,3% M/M contra expectativa de 0,0% M/M), sendo mais um dado frustrante, como a produção industrial alemã, divulgada alguns dias atrás. O euro está se depreciando -0,12%, cotado a US$/€ 1,1529. As bolsas operam em maioria em queda. O índice pan-europeu STOXX600 cai -0,33%, com recuos de -0,24% no FTSE100 de Londres, -0,70% no CAC40 de Paris e -0,34% no DAX de Frankfurt.

Os principais índices futuros de ações americanos operam em queda hoje, com o S&P500 recuando -0,67%. Os juros futuros americanos estão subindo ligeiramente, com o yield da Treasury de 10 anos a 2,6992% a.a.. O dólar está ganhando valor contra a maioria das moedas, com o índice DXY subindo 0,11%. O impasse entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o Congresso prossegue em relação à aprovação do orçamento federal, com essa paralisação (shutdown) afetando a divulgação de diversos dados econômicos, mas com os pedidos semanais de seguro desemprego saindo hoje. Ontem diversas autoridades do Fed discursaram, com o tom dos comunicados sendo majoritariamente dovish e indicando grande probabilidade do FOMC manter a taxa de juros estável nas próximas reuniões devido à volatilidade do mercado financeiro. A ata do FOMC também foi mais dovish, ao mostrar que uma parte dos membros pensava em pausar a alta de juros em 2019. Hoje o presidente do Fed, Powell, faz um discurso, no qual deve ressaltar esses pontos, mencionados por ele também na semana passada.

Os índices de preços de commodities estão com comportamento divergente hoje, com alta em preços de commodities metálicas mas queda em energia. O índice geral de preços da Bloomberg sobe 0,02%. O preço do petróleo cai -0,63%, com o barril tipo WTI cotado a US$ 52,03.

No Brasil o IGP-M 1º decêndio de janeiro veio acima do esperado (0,03% contra -0,10%), enquanto a 1ª semana do IPC-FIPE não teve surpresas (0,06%). Ontem o ministro do STF Toffoli decidiu que as votações para presidentes da Câmara e do Senado devem ser por voto secreto, o que torna a reeleição de Rodrigo Maia na Câmara e a eleição de Renan Calheiros no Senado mais prováveis. Na Câmara isso torna mais provável a aprovação da reforma da Previdência, enquanto no Senado o efeito é mais dúbio. Os ativos brasileiros se beneficiaram muito do rally mundial nos últimos dias e podem ter uma realização hoje (queda na bolsa, real depreciando, juros subindo), mas de forma muito modesta e que não muda a tendência de valorização que se verifica nos últimos meses.