Economic HighLights

  • Clique aqui para adicionar essa página aos favoritos

    Meus Favoritos

    Personalizar seus Favoritos:

    1) Escreva no campo abaixo o nome da página da maneira que mais lhe agrada.

    2) Clique em "Incluir no Meus Favoritos".


  • PDF
  • Imprimir
  • Enviar para um amigo

Vendas no Varejo - Maio 2019

As vendas no varejo em maio no Brasil tiveram queda de -0,1% M/M em termos reais, um resultado abaixo da mediana de projeções (+0,1%), mas igual à expectativa da SulAmérica Investimentos (-0,1%). Em relação ao mesmo mês do ano anterior houve crescimento de 1,0% A/A, menor do que em abril (1,8% A/A). A variação em 12 meses também desacelerou, passando de 1,5% para 1,3%, a menor taxa desde nov/17.

A maior parte dos grupos mostrou variação positiva, com crescimento em 6 dos 8 que compõem o varejo restrito. Os destaques de alta foram Material para escritório e equipamento de comunicação (+2,2% M/M, após queda de -6,2% M/M no mês anterior), Tecidos, vestuário e calçados (+1,7% M/M após -4,5% M/M no mês anterior) e Hipermercados, supermercados, prod. alimentícios, bebidas e fumo (+1,4% M/M após -1,9% M/M do mês anterior). Houve dois grupos com queda: Combustíveis e lubrificantes (-0,8% M/M) e Outros artigos de uso pessoal e domésticos (-1,4% M/M).

O varejo ampliado, que inclui dois outros grupos ao varejo restrito (Veículos, motos, partes e peças e Material de construção), teve crescimento de 0,2% M/M em maio, o mesmo ritmo que o verificado em abril.

O desempenho ruim em abril e maio deve fazer a variação trimestral do varejo ficar novamente negativa no 2º trimestre, em torno de -0,2% T/T. A estimativa da SulAmérica Investimentos para o IBC-Br permanece em -0,1% M/M, e cresce a probabilidade de que o PIB do 2º trimestre tenha variação ligeiramente negativa, fazendo assim com que haja dois trimestres consecutivos de queda no PIB e caracterizando uma recessão técnica.